Este Blog tem a finalidade de divulgar estudos e aprendizados espíritas, tendo por prisma de visão Allan Kardec.

Sempre é quase eterno § #poesia…

#

Sempre há um pensamento no ar

Deus continua a pensar

E cada pensamento fecunda a arte da vida

Um quasar que se recria

Óvulo fecundado na imensidão do universo

Verso sem dimensão

Estrelas quais rimas de luz tamborilando o firmamento

Cometas, astros e planetas, semeados em galáxias

Pensamentos com vidas próprias

Sinopses da eternidade

A verdade em gotas de mostardas

Nos campos de um tempo que não se mede!

#

Há o espírito enquanto princípio de luz

A inconsciência dividida em reinos

Ventre de todas as vidas

Pisa sobre pedras, dores e sofrimentos

Cresce como se fosse coentro e pêssego

Sonhando com estrelas nas marginais do universo

Sua aparência é o truque da ilusão impermanente, mas ele insiste

E quando vira cadáver pensa que morreu

A pele enruga, acha que o tempo passou

Mas, o Platão disse que era só um momento movediço da eternidade

Onde anda a verdade, ou será que ela voa e não se alcança

Criança, adolescente e maduro ainda em cima do muro das decisões

Cria crendices e fantasias na tentativa inútil de se enganar

Obras de arte nos túmulos no cúmulo da solidão

Vira saudades e até alma penada na estrada que já caminhou…

#

Há, … o homem enquanto não se der por alma

Não conquista a palma da evolução!

#

A eternidade segue os passos Divinos pela melodia da composição

A aurora boreal no seu quase silêncio abismal tirando luzes para dançar

A oração de todo dia é quase a agonia de quem não tem com que pagar

Como se Deus cobrasse taxas pelas salas de aula da vida

Para pagar o salário do mestre tempo para confeccionar todas as togas

E há quem rogue por indulgências esperando por férias e spas para descansar!

#

A vida que por ti não se comove promove contínuas mudanças

Á despeito de suas inclinações, reclamações e inércia

O pó do passado provoca alergias e interrogações

Semeia no chão presente o fruto pede sempre água nova

Mude os versos, o texto e o conteúdo, mas não tire o brilho da poesia

Os dias embora se repitam tem sempre outras molduras e diferentes luzes

O tempo urge e não nos espera

Quem hoje se acomoda na preguiça amanhã se desespera!

#

Ademário da Silva

10/agosto/2014.

 

 

 

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: