Este Blog tem a finalidade de divulgar estudos e aprendizados espíritas, tendo por prisma de visão Allan Kardec.

Mesmo assim, eu não sei…

***

Mesmo sabendo que o vento espalha perfumes

Por que Deus semeou flores quais afagos

O homem não se da conta que o Ipod

Só pode no virtual e essa flor não é real

**

Mesmo ouvindo a canção da garoa num telhado de zinco

O homem com sua voz agressiva e deselegante

Rima amor e dor num verso de abandono

Mesmo assim não descobre que o sorriso da criança

É a esperança de bom humor numa manhã que não chegou

**

E quando o sabiá entra no coral do uirapuru Mozart silencia

E entre a noite e a madrugada a semente de um novo dia

Num espasmo de segredo sonha fecundada e não revela

Como a sombra mergulha no seio da luz da alvorada

**

E que é assim desse jeito que um feto num ventre imagina

Descortinando a imortalidade que a vaidade confina

E quando o orvalho escorre pelas pétalas hidrata a vida

E mesmo assim o humano ser que pensa que governa

Vegeta na cripta da ambição e do egoísmo

Sem ciência de que o passo lento do idoso é um ritual de passagem

E a morte a consagração da mudança nas tranças do tempo

Que Deus á tudo envolve e resolve tudo que nos falta

Na pauta de trabalho e estudo

**

Contudo o ser que o orgulho consome

É homem teimoso e confuso

O tempo de Deus é uma semente de luz á crescer nos pomares da consciência e da fé que recria nosso próprio modo de ser, segundo a constituição das leis divinas e naturais…

**

Terra que rejeita semente não sabe o valor da colheita

Mãos que desconhece a raiz ignoram da beleza da flor

É mesmo assim desse jeito quando olhas no espelho

E não enxergas os próprios defeitos

**

O tempo humano somando estações, semanas, meses e anos

Impermanente em nossos planos voa nas asas do imediatismo

Mesmo que a dor te fustigue a aparência, preferes a turbulência

Pra não encontrares contigo no reflexo da consciência

**

E assim, mesmo que decidas protelar,

Mesmo que se demore a decidir

Mesmo que o sofrimento te leve ás curvas do destino

Mesmo que envelheça esquecendo-se de ser menino

Ainda que os caminhos do Gólgota não te comovam

Ele, o Caminheiro da Luz por ser também a Vida e a Verdade

Tem em a sua consciência, a identidade!

**

Ademário da Silva =*=* 01/dezembro/2011

 

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: