Este Blog tem a finalidade de divulgar estudos e aprendizados espíritas, tendo por prisma de visão Allan Kardec.

Debaixo do tapete imortal…

As relações humanas retidas na transitoriedade, grafadas pela história, é só um pedaço  rasgado da fotografia da vida. É como se num dado momento, alheio a nossa vontade, algo se nos tira de cena e a foto fica sem sentido. Olhar uma foto batida numa reunião de família e descobrir em sua imagem, fisionomias de pessoas desencarnadas, deve ser uma coisa muito triste e pesada para aqueles que teimam que a vida é só isso que se vê…

Sabe, eles têm saudade, de quem e como é que não sabem explicar, mas, acreditam piamente na eternidade.

Afinal de contas uma verdade apregoada por esses milênios de que nos damos conta, ao menos historicamente, por que não acreditar.

Ainda que seja um trauma imposto e mal explicado por quem de direito; um condicionamento religioso existencial, do tipo é melhor acreditar pra não ficar fora da maioria ou da moda.  

As filosofias e as psicologias insistem em que o homem já foi o centro da vida, e que, a religião por ganância, por ambição ao poder e as finanças se auto elegeu a dona do mundo, representante das vozes divinas e são tantas, junto aos destinos humanos; e foram se lambuzando pelo tempo a frente de corrupções e conluios, de obscuridades e desmandos a tal ponto que hoje o ser humano, dito pensante, quase nem pensa, segue “feito penitente, carregando pedras (dores e sofrimentos) pelo continente, erguendo estranhas catedrais” O Chico Buarque meteu o dedo na ferida, mas, ninguém comenta, afinal de contas o povo é desletrado e cobrado na hora de eleger políticos, esquisito isso…

Por razões como essas e tantas outras, a criatura humana segue pro desconhecido, sem saber de onde veio e à que veio como se viajasse num carro alegórico (já vi essa descrição hein…) pra algum lugar no meio do nada, afinal até hoje só cobram pedágio pra ir aos céus e aos infernos, mas o roteiro, ou melhor, o itinerário ainda é milenarmente desconhecido. Só divulgam os pacotes e as saunas conforme a opção “escolhida” pelo cliente desavisado das funerárias de plantão.

Até por que a pia batismal só funciona quando aqui se chega e na hora da saída é só dor e lágrima de despedida…

Mas, todos nós sabemos de antemão, ou será na contramão, que a vida é eterna. De algum modo isso é um consolo.E nós desencarnamos, morremos, falecemos ou fomos para os céus, e que todas as ladainhas digam amém…

Mas a dor da separação parece ter prazo de validade, provoca espasmos, desequilíbrios, delírios, arroubos, espetáculos tais que parece infernais, por aqui, não pode ser, afinal quem morre parece carregar uma culpa por não ter conseguido sobreviver ao câncer ou ao acidente, que dirá então da velhice, hoje extremamente desvalorizada, até aviltada, desmerecida estação reflexa…

E perplexa ou será aturdida a população segue sua vida, isso é no planeta inteiro, mesmo com essa fantasia de 1º, 2º e 3º mundos. A religião A ou B e talvez, quem sabe a C e provavelmente mais uma boa quantidade fonemas representativos de adorações irrelevantes, dizimáticas, não conseguem sequer esclarecer por que é sempre assim…

E o tempo escoa na ampulheta e a dor vai sendo lenta e gradualmente arquivada, até que a história daquele ou daquela que se foi, vai se esfumaçando nos horizontes da memória cansada da lida da vida e sua dores, então aceita essa separação mais por imposição inalienável da natureza do que por consciência…

E ainda, desde muito tempo atrás, tudo é tão misterioso, sobrenatural, frutos híbridos da alucinação, que nenhuma alquimia ou vara de condão, ou será de duende, que não se “consegue explicação”.

Mas, é batismo pra chegar e extrema-unção pra voltar.

O que será que e a quem se encomenda, se a vida é uma só, mas, diante do mistério é melhor ficar sério e cumprir o mandamento, ou melhor o sacramento, afinal, todos temos igual chance.

O Cristianismo aviltado pela política imediatista e pelos oportunismos clericais, não se fez de rogado, muito menos melindroso, ou achacado em seus dons naturais, e até na verdade nem ficou chocado.

O Cristianismo reencarnou como Espiritismo.

O Cristo Redivivo nos postulados imortais.

Como numa transgenia em que se eliminam os focos bactericidas, a condição viral vai sendo combatida pela interferência dos espíritos superiores e principalmente do Espírito da Verdade, traduzido então como o Consolador Prometido, então crendices e lendas, mitos e ritos, aos gritos saem do cenário de luz engendrado pelos maiores pensadores já sediados em mundos melhores e que vão sendo, seus pensamentos e informações e esclarecimentos, codificados pelo mestre em pedagogia, realmente o bom senso reencarnado o Sr. Hipolitte Léon Denizard Rivail, que utilizou antigo nome de batismo druida como pseudônimo e lançou aos olhos da ciência, da literatura, da filosofia, da religião e principalmente dos detratores de plantão, um novo e mais abrangente conceito de religião acrescido de uma filosofia irretocável, e, aspecto importantíssimo, desenvolve os princípios da ciência do espírito, exarados de um modo insofismável em o Livro de A Gênese.

E todo essa avalanche de informações e esclarecimentos codificados em o Pentateuco Espírita, ou seja os cinco livros da Obra Básica, somando ainda os livros: O que é o Espiritismo, Iniciação Espírita, O Espiritismo em Sua Expressão mais Simples e mais um conjunto de 12 livros que constituem O Jornal de Estudos Psicológicos ou simplesmente as Revistas Espíritas.

Esse esforço, esse trabalho para dar a criatura humana em qualquer latitude ou longitude terrena, a oportunidade igual de descobrir causas e efeitos, origem e finalidades da vida, sob a lente da lucidez e do bom senso, desassistida dos rituais e crendices. Como ensinou Jesus “em Espírito e Verdade”…

Aqui o grande segredo do aprendizado. “Cada consciência evolui por si”. Ensinou Kardec. Ah! Ele disse também que aprender Doutrina Espírita exige-nos um esforço de no mínimo com tempo e dedicação, dez anos humanos da nossa vida.  

Mas a imortalidade enquanto Lei Divina e Natural, não esconde seus objetivos. E se quisermos encontramos com eles diuturnamente. Basta colocarmos a serviço do aprendizado existencial enquanto espírito imorredouro, a observação atenta e a intuição, a luz do aprendizado espírita e poderemos inclusive conduzirmos melhor a nossa vida. É claro que isso requer bom senso e lógica, pra não nos deixarmos impressionar por ideoplastias psicológicas que formatamos em nossa mente, buscando atender ou solucionar coisas e fatos que escapam ao nosso entendimento, de uma maneira meio que fantasiosa.

Na verdade as desigualdades, os desencontros, as afinidades ou a ausência delas, os aleijões, a saúde completa e toda gama de mutilações que temos isto em a natureza humana, não decorrem de punições de um ‘deus’ vingativo, mas, são mecanismos de ajustes para a manutenção da harmonia da vida e as leis que a regem. O que denominamos aqui de personalidades “fortes”, “bem dotados”, “deslembrados”, “gênios”, “idiotas” e outros gêneros que parecem por em cheque a Bondade Divina, são apenas os efeitos de causas estranhas a harmonia da vida, que nós burlamos.Então irmãos, enquanto fugirmos de nós na caminhada que a evolução obriga, só causamos efeitos contrários aos “pretendidos”.

Viver em paz e harmonia exige-nos a educação e o desenvolvimento da moral espiritual, que se baseia no amor e no respeito ao próximo.

Por isso Jesus afirmou com conhecimento de causas e conseqüências para nós outros, o que seria o descumprimento das leis:  ‘Amai a Deus acima de qualquer coisa e ao próximo como a si mesmo.” Eis toda a Lei e os Profetas. Nenhuma outra lei ou religião são capazes de superar em obrigações, objetivos e benefícios o alcance eterno desse ensinamento.

Hoje enquanto espíritas, já se faz tempo de entender que não mais adianta esconder sob o tapete da vida os nossos erros, por quanto esse tapete é imortal. E nós, aqui ou acolá somos o que pensamos, o que sentimos e principalmente o que aprendemos.

 Cada encarnação é oportunidade na medida em que é aproveitada. Aí se o ambiente familiar está carregado de problemas, de dores e sofrimentos, é tempo de se curvar as evidências e gostar um pouco mais dos desafetos, compreender um pouco mais que orgulho e fantasia são empecilhos desnecessários que só atrasam-nos os passos.

Se quisermos, por que não adianta apenas sonhar, uma vida em melhores condições na erraticidade, temos que levar em nosso modo de ser essas condições.

O episódio dos dois ladrões condenados a morte junto ao Cristo nos mostra espelho excessivamente transparente, não mais para meditar ou refletir, mas, para seguir as palavras de Jesus, enquanto alertas e não como promessa.

Pois seria contraditório imaginar que Ele facilitaria o ingresso do irmão em questão simplesmente por que apresentou arrependimento de última hora. O lado direito que Jesus se refere é o lado de uma nova oportunidade, que combina em gênero, número e grau com o ensinamento anterior: “Aquele que não nascer de novo não verá o Reino dos Céus”.

 Assim, higienizemos o ambiente espiritual de nossas vidas com a conduta renovada pela compreensão e a vivência do aprendizado dessa Doutrina de Luz que na Verdade é o Cristianismo Redivivo, que não há mais o que acrescentar é só aprender e vivenciá-lo, sem mais demoras ou desculpas…

Ademário da Silva…

SOESFALUZCA          20/março/2008

Anúncios

Comentários em: "Debaixo do tapete imortal…" (1)

  1. ADEMÁRIO, muita paz!!!

    O texto é de uma excelência ímpar e nada há para acrescentar.

    Ressalto que nós somos literalmente o que pensamos e com a força das idéias iremos construir um novo amanhã.

    Um abraço,
    Valter P. Viana

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: